Revista UFO - Portal da Ufologia Brasileira - A mais antiga revista sobre discos voadores do mundo

ARTIGO

Por Equipe UFO

Edgar Mitchell revela o que sabe

Sexto homem a pisar na Lua diz que UFOs são coisa séria

Categoria: LUA | UFOs NO ESPAÇO
crédito: nasa
ampliar
Edgar Mitchell, o sexto homem a pisar na Lua, que tem proferido polêmicas palestras em várias partes do mundo, defendendo a realidade do Fenômeno UFO e sua origem não-terrestre
SAIBA MAIS
Volta o debate sobre mistérios na Lua A descoberta de Trappist-1 revoluciona a busca por vida extraterrestre O que é o documentário Data Limite Segundo Chico Xavier?

"Alienígenas existem e suas naves são verdadeiras. Pelo menos, uma já se acidentou na Terra e foi resgatada por militares norte-americanos, que a desmontaram para conhecer seu funcionamento. É possível também que sofisticados aviões de espionagem e outros aparatos de alta tecnologia estejam funcionando graças a princípios obtidos por cientistas nos destroços de naves alienígenas acidentadas”. Essas palavras não partiram de um ufólogo apaixonado, como seria de se esperar, mas do astronauta Edgar Mitchell, o sexto homem a pisar na Lua, que tem proferido polêmicas palestras em várias partes do mundo, defendendo a realidade do Fenômeno UFO e sua origem não-terrestre. “Sabemos que os UFOs são reais. São naves que vêm de fora e os governos sabem disso”, declarou recentemente, numa entrevista ao repórter Eliot Kleinberg, do Palm Beach Post, de Miami.

 

A Revista Ufo teve acesso a esta e a outras recentes entrevistas do autor, que confirmam aquilo que já se sabia: vários astronautas norte-americanos não querem mais atender às determinações da NASA para se calarem diante do que sabem sobre discos voadores e seres extraterrestres. Quase todos eles, tendo operado nas mais variadas missões espaciais, tanto orbitais terrestres como de vôo à Lua, fizeram observações de UFOs – e alguns tiveram contatos até mais próximos com o fenômeno. O mesmo aconteceu com os cosmonautas russos, que começaram a revelar o que sabem há bem mais tempo que seus colegas norte-americanos [Veja cobertura completa em Ufo 83].

 

A transformação de Mitchell não é recente. Desde seu retorno do espaço, quando fez parte da missão Apollo 14, em fevereiro de 1971, o astronauta já demonstrava ter adquirido o que ele próprio chama, hoje, de “uma maior consciência”. Mitchell pisou na Lua no dia 05 daquele mês, sendo piloto do módulo lunar ao lado do comandante da missão, Alan Sheppard Júnior, e de Stuart Roosa. Durante o vôo espacial, segundo fontes, ele teria feito diversos experimentos de telepatia, tentando manter um diálogo mental com pesquisadores do tema, na Terra. “Temos que expandir nossos horizontes, embora tal processo nos apresente mais perguntas do que respostas”, declarou ao voltar do espaço. De fato!

 

O recente livro de Edgar Mitchell, The Way of the Explorer: An Apollo Astronaut’s Journey Through the Material and Mystical Worlds [O Caminho do Explorador: A Jornada de um Astronauta da Apollo Através de Mundos Materiais e Místicos, ainda sem tradução no Brasil], despertou imensa polêmica quando foi publicado, em 1996. A obra foi conjunta com o autor Dwight Williams. Nela, Mitchell declara textualmente sua crença na multiplicidade da vida no universo. O livro contém a base da filosofia de trabalho do Instituto de Ciências Noéticas (ICN), que o astronauta fundou nos Estados Unidos. Segundo ele, a inspiração para criar o ICN surgiu-lhe quando viu a Terra a partir de uma órbita elevada.

Atenção
Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO.
O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site. Basta clicar aqui.
Caso já tenha cadastro, conecte-se na home do site ou clique aqui.
ENQUETE
  GENIAIS.COM   
Edição 258
Sumário Edições anteriores

CENTRAL DE ATENDIMENTO

(67) 3341-8231
Horário: das 09h00 às 18h00, de segunda a sexta (exceto feriados)

FORMAS DE PAGAMENTO

Formas de pagamento

NOTÍCIAS MAIS VISUALIZADAS

+ NOTÍCIAS
2011 © Editora Evolução Ltda.
Todos os direitos reservados. Termos de Uso. Declaração de privacidade.