Revista UFO - Portal da Ufologia Brasileira - A mais antiga revista sobre discos voadores do mundo

ARTIGO

Por Equipe UFO

O que os russos ainda escondem?

Recentes iniciativas de abertura revelam fatos novos sobre o programa espacial da antiga Cortina de Ferro

Categoria: UFOs E ENERGIA NUCLEAR | UFOs NO ESPAÇO
crédito: RUSSIAN SPACE AFFAIRS
ampliar
Nave Soyuz sendo transportada para lançamento no Cosmódromo de Plesetsk, base soviética monitorada por UFOs
SAIBA MAIS
A descoberta de Trappist-1 revoluciona a busca por vida extraterrestre Como classificar os UFOs? Como a CIA influenciou Hollywood a usar os discos voadores nas telas

Desde os primórdios da corrida espacial, os Estados Unidos e a extinta União Soviética disputaram cada milímetro do espaço, tendo os russos levado vantagem em alguns episódios e os norte-americanos, noutros. Hoje a concorrência se estende também à China, França e Índia, entre outros países. Mas casos de espaçonaves soviéticas seguidas por UFOs parecem mais freqüentes do que os similares envolvendo veículos norte-americanos – e isso inclui até mesmo contato com alienígenas no espaço. Enquanto imersa no comunismo, a política da então URSS quanto ao assunto também pareceu, ao longo dos primeiros anos da exploração espacial, menos severa do que a imposta pela NASA aos seus astronautas e funcionários. Tanto que hoje conhecemos centenas de casos de missões soviéticas que foram seguidas por UFOs.

 

Um caso envolveu a espaçonave Kosmos 955, que decolou do Cosmódromo de Plesetsk, às 03h58 de 20 de setembro de 1977 e foi imediatamente seguida por um objeto voador não identificado. Assim que o foguete subiu, algo aconteceu. Ainda estava escuro quando surgiu um imenso objeto de aspecto gelatinoso, movendo-se lentamente pelo céu. O tempo sobre o norte da então URSS estava claro, o que permitiu que se visse o aparelho até mesmo em Leningrado, na Estônia e, mais a oeste, na Finlândia. Moscou estava com o céu nublado. Nikolai Milov, correspondente da agência de notícias Tass em Petrozavodsk, escreveu uma pequena nota sobre um fenômeno incomum observado na Carélia. Dois dias depois, o repórter foi mandado para fora do país como correspondente internacional. Logo em seguida, os jornais norte-americanos traziam inúmeras notícias sobre o UFO gelatinoso no norte da extinta União Soviética, e os ufólogos do país começaram imediatamente a coletar informações sobre os eventos daquela excitante e inesquecível madrugada.

 

Apesar dos acontecimentos não terem sido confirmados oficialmente, um amontoado de relatos foi colhido pelos investigadores, a maioria, no entanto, composta por rumores e histórias sem nexo sobre o que fora observado. A notícia se espalhou velozmente, e uma dava conta de que raios vindos do UFO haviam feito buracos no calçamento do cosmódromo e em suas janelas. A temida KGB, claro, agiu com a necessária rapidez para limpar o cenário de evidências que pudessem aguçar ainda mais a polêmica, que já tomava conta do Ocidente.

“Jornalismo amarelo do Ocidente”

Há relatos de que algumas testemunhas do fenômeno teriam adoecido ou ficado mentalmente perturbadas por causa do objeto não identificado. “Outros depoimentos confirmam que o fato foi mesmo o avistamento de uma nave-mãe seguida de naves menores, que foram vistas voando para dentro e para fora do imenso corpo”, relatam os ufólogos Paul Stonehill e Philip Mantle, que acabam de lançar o livro UFOs na Rússia, pela coleção Biblioteca UFO.

Atenção
Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO.
O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site. Basta clicar aqui.
Caso já tenha cadastro, conecte-se na home do site ou clique aqui.
ENQUETE
  GENIAIS.COM   
Edição 258
Sumário Edições anteriores

CENTRAL DE ATENDIMENTO

(67) 3341-8231
Horário: das 09h00 às 18h00, de segunda a sexta (exceto feriados)

FORMAS DE PAGAMENTO

Formas de pagamento

NOTÍCIAS MAIS VISUALIZADAS

+ NOTÍCIAS
2011 © Editora Evolução Ltda.
Todos os direitos reservados. Termos de Uso. Declaração de privacidade.