Revista UFO - Portal da Ufologia Brasileira - A mais antiga revista sobre discos voadores do mundo

BLOG

Espaçonaves da NASA descobriram objetos que se movimentaram pelo solo lunar

22.09.10 - 19h03
ampliar
As estruturas artificiais e os respectivos rastros produzidos pelos deslocamentos fotografados no interior da cratera Vitello pela espaçonave Lunar Orbiter 5.

Um dos aspectos mais misteriosos, e ao mesmo tempo reveladores nas imagens obtidas por nossas espaçonaves enviadas a Lua, identificado praticamente desde o início dos programas de exploração e investigação lunar, são os rastros deixados por objetos de diferentes formas e dimensões em seu solo.  Se as discussões e debates sobre a possibilidade de atividade alienígena em nosso satélite natural, ou mesmo a existência de vida extraterrestre em termos gerais, levassem em conta realmente o nível de evidência que já temos, em vez de discussões teóricas, estaríamos vivendo certamente  “um outro mundo”. 

 

Pelo que tenho conhecimento, a primeira vez que documentamos a presença desses rastros, foi durante o programa Lunar Orbiter, o segundo desenvolvido pela NASA com naves não tripuladas enviadas ao nosso satélite, que tinha por missão ampliar a documentação fotográfica conseguida pelo projeto Ranger, desenvolvido entre os anos de 1961 a 1965.  O projeto Lunar Orbiter tinha como um de seus principais objetivos, mediante o levantamento fotográfico, descobrir e apontar os pontos que seriam utilizados pelo projeto Apollo nas primeiras missões em que nossos astronautas pousariam na Lua, mas foi bem mais longe, e segundo imagens e depoimentos, documentou de maneira definitiva a presença alienígena, inclusive na fase oculta de nosso satélite.

 

Uma das fotos que mais chamou a atenção dos especialistas do Langley Research Center, em Hampton, no estado da Virginia, onde eram na época desenvolvidos boa parte dos projetos da NASA, foi obtida durante a última missão do programa, pela espaçonave Lunar Orbiter 5, lançada em agosto de 1967. Trata-se de uma das 633 fotos de alta resolução conseguidas durante a missão espacial. A imagem em questão, o frame 168H2, foi obtida de uma altitude de pouco menos de 170 km, documentando a região da cratera Vitello, e  pode ser vista hoje no site do Lunar and Planetary Institute da Agencia Espacial Norte-Americana (NASA). Nela podemos ver claramente um misterioso rastro no solo lunar, com quase três quilômetros de extensão, produzido por um objeto em forma de torre, ou obelisco, cuja base possui 140 metros,  que foi “arrastado” pelo solo de nosso satélite.  A sombra projetada não deixa dúvida sobre a forma do objeto que produziu esse efeito.  A questão é: desde quando este obelisco, ou torre esta na atual posição?  Como na Lua não existe atmosfera, e qualquer forma de efeito erosivo, a foto não nos permite datar a antiguidade tanto do rastro, como da estrutura, cuja movimentação pelo solo lunar deixou este impressionante registro.  Mas uma observação mais detalhada, e ampliada da mesma imagem, revela, que existe um segundo rastro deixando por um outro objeto, ou estrutura, menor, quase paralelo ao primeiro.

 

A forma dos objetos, como os próprios vestígios deixados pelas movimentações, são diferentes.  Curiosamente, a largura do rastro deixado pelo segundo objeto, é inferior ao seu próprio diâmetro, coisa que não acontece com o que havia sido notado antes. Isto deixava claro, desde aquela época, que existiram, ou existiam, diferentes estruturas, ou objetos, sendo movimentados pelo solo de nosso satélite, não apenas no aspecto das dimensões, mas realmente de suas formas.

 

Progressivamente foram detectados em outras imagens do próprio projeto Apollo mais sinais do mesmo tipo. Fotografias tomadas pelos astronautas da Apollo 17, em dezembro de 1972, por exemplo, revelaram não só a presença de outros obeliscos, torres, mas rastros de deslocamento com  dezenas de quilômetros de extensão em outras regiões da Lua.  Estas imagens estão "espalhadas" hoje em vários sites, ou páginas da NASA.

 

De maneira surpreendente, quase 40 anos depois que a última missão tripulada ao nosso satélite deixou a órbita lunar, o referido site, meses atrás, passou a apresentar o que ele mesmo denomina de “novas fotos” do projeto Apollo.  Existe sem dúvida uma abertura progressiva com a postagem de imagens realmente impressionantes referentes aos programas de exploração lunar, mas o acobertamento está longe de acabar, até porque essas fotos estão sendo disponibilizadas sem qualquer comentário sobre a real natureza, e principalmente das implicações que certas imagens apresentam. Isto para não falarmos de explicações absurdas fornecidas pela própria agencia espacial, como a ideia lançada de que tais rastros foram gerados por pedras gigantescas que rolam pelo solo lunar. Basta verificar as sombras dos objetos que causaram tais registros, que revelam a forma dos mesmos, para percebermos o quanto é absurda esta proposta. 

 

Fotos destruídas

 

Mas a coisa é ainda pior, ou pelo menos foi.   Em outubro de 2007, o Dr. Ken Johnston, gerente da Divisão de Controle  de  Dados e Fotos do Laboratório de Recepção Lunar da NASA, durante os esforços de exploração de nosso satélite, resolveu sair do silêncio e denunciou mediante as páginas do jornal New York Times, que na época do projeto, “havia recebido ordens para destruir as fotos mais críticas que demonstravam a existência de ruínas e tecnologia extraterrestre na Lua”.  Johnston, que ainda estava na folha de pagamento da NASA, foi demitido em poucos dias, mas insistiu em suas afirmativas, passando a ser uma das vozes mais ativas contra o acobertamento no programa espacial. 

 

Meu retorno e aprofundamento nesse campo de investigação foi inspirado nas declarações desse cientista, e conforme fui explorando os diversos catálogos de imagens lunares, principalmente do já mencionado Lunar and Planetary Institude, descobri algo realmente revelador: a própria NASA, mediante este site, está admitindo, que existem várias fotos, que simplesmente “estão desaparecidas, perdidas”.  Quando você clica em cima do número de determinadas fotografias aparece simplesmente a refêrencia: “missing image”.  Estamos caminhando realmente para um momento muito especial da história da humanidade...

 

Atenção
Para comentar no blog, você deve se cadastrar no Portal UFO.
O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site. Basta clicar aqui.
Caso já tenha cadastro, conecte-se na home do site ou clique aqui.

Marco Antonio Petit 12.11.2010 às 19h57

Obrigado por sua participação e retorno. Em primeiro lugar repare que o rastro superior é liso, mas isto não quer dizer muita coisa, e nem serve para definirmos uma posição. Quando falamos de objetos que foram arrastados, ou deslocados, não estou querendo passar a idéia de que algo, por exemplo, uma rocha, foi empurrada e arrastada. A idéia é de que os objetos, ou estruturas, que produziram tais registros, pelo menos a maior parte delas, possuíam, ou possuem, já que podem ser vistas nas imagens, em sua base, algo que possibilitava o movimento pelo solo lunar. Alguma coisa semelhante às lagartas das plataformas móveis de nossos foguetes. Se elas fossem transportadas para a Lua e colocadas em movimento, produziriam efeitos e registros muito próximos do que podemos ver inclusive na imagem que postei, e existem inúmeras outras do mesmo tipo documentando o mesmo fenômeno em outras regiões lunares, como ainda mostraremos nesse mesmo blog, e já foram e continuam sendo apresentadas em nossas conferências. Ou seja, o tipo de rastro de caso para caso, esta, diretamente associado ao tipo de mecanismo, ou melhor, o molde da parte da estrutura, que entrou em contato direto com o solo para produzir o movimento. A idéia de explicar esses rastros como algo produzido por bólidos que teriam caído, ou se chocado com a Lua não pode ser levada a sério. Não há um caso de rastros desse tipo em que exista evidência do ponto de impacto inicial, como seria de se esperar, se a causa desses rastros fosse esta, e na Lua não existe atmosfera ou qualquer efeito erosivo que pudesse ter apagado evidências desse tipo. Amplie a imagem postada e verifique que os dois rastros ao longo de quilômetros mantiveram um padrão exatamente igual, apesar de diferentes entre si. Não há como pensar que foram produzidos por rochas que atingiram a Lua e saíram rolando. Onde esta o sinal da cratera? Na Lua, como já colocamos acima, não existe atmosfera, inclusive para frear pelo atrito a velocidade de queda. Mesmo com uma trajetória com fator de inclinação elevado, teríamos uma pequena cratera de aspecto alongado, e se parte da estrutura rochosa sobrevivesse o impacto inicial, sairia pulando e atingindo outros pontos da superfície lunar, até que perdesse velocidade. Nunca atingiria o solo lunar e sairia imediatamente rolando, se arrastando pelo solo, ainda mais em nosso satélite, onde a gravidade é bem menor. Foi por questões desse tipo, que inviabilizam possibilidade desse tipo, que a NASA, em suas tentativas de buscar uma explicação natural para o que vemos nessas imagens, criou, lançou a idéia de que existem rochas na Lua que rolaram deixando tais registros. O problema nesse caso é que ao examinarmos a totalidade de fotos desse tipo, descobrimos que existem casos até de rastros que se cruzam em determinadas regiões lunares, tornando inaceitável também a idéia de que tais rochas se movimentaram devido a inclinação do relevo lunar nessas áreas. E existe um problema maior ainda para ficarmos com uma explicação natural: as sobras produzidas pela maioria expressiva desses objetos deixam claro que estamos diante de estruturas com a forma de obeliscos, ou torres, e jamais poderiam rolar, ou apresentar movimento por causas naturais no sentido que os rastros documentam. Forte abraço, Petit

12.11.2010 às 17h48

Petit, minha mulher fez um comentário pertinente: esses rastros não poderiam ser de um meteorito que se chocou e fez as marcas? Repare (no rastro inferior) que se o objeto tivesse sido arrastado o caminho seria "liso". Mas ele é todo irregular, o que poderia indicar que ele foi "rolando".

Lilian Rose 24.10.2010 às 17h40

Fantástico, Petit. Creio que gradualmente, daqui para a frente, a NASA começará a fazer mais revelações dessa natureza. Na própria internet há vídeos já vazados de ovnis se aproximando da Lua ou fazendo manobras perto dela.

Elaine Krauss Serrano 04.10.2010 às 08h07

Gostaria que o senhor avaliasse duas imagens da ESA. Na 1ª página - Features in Orcus - Patera on Mars há 4 quadros. Dentro de um quadro, há um triângulo e um sinal - e nos outros, o sinal +, na página 28 na imagem Perspective view of Juventae Chasma - looking west, do lado direito, abaixo, há a mesma figura de um triângulo com a ponta alongada ao lado de um Y e há outras letras que não dá para observar. Imprimi a página e virei a imagem para mim e deu para ver que as letras estão dispostas em inscrições do mesmo tamanho umas das outras. Já vi o Y se não me engano, no seu blog, numa imagem da Lua. Poderia avaliar estas imagens e enviar resposta pelo meu e-mail?
ENQUETE
  GENIAIS.COM   
Edição 258
Sumário Edições anteriores

CENTRAL DE ATENDIMENTO

(67) 3341-8231
Horário: das 09h00 às 18h00, de segunda a sexta (exceto feriados)

FORMAS DE PAGAMENTO

Formas de pagamento

NOTÍCIAS MAIS VISUALIZADAS

+ NOTÍCIAS
2011 © Editora Evolução Ltda.
Todos os direitos reservados. Termos de Uso. Declaração de privacidade.