Revista UFO - Portal da Ufologia Brasileira - A mais antiga revista sobre discos voadores do mundo

BLOG

ESTAMOS DE VOLTA!

23.01.15 - 09h51
ampliar

Estou de volta ao meu blog no site da Revista UFO depois de quase dois anos de ausência.

 

Para 2015 já tenho muitos projetos em andamento e outros que virão.

 

Estou finalizando uma super entrevista com um dos astros da brilhante série  “Alienígenas do Passado” que será publicada nas páginas da Revista UFO.

 

Para este ano publicarei mais dois livros, um em cada semestre. O do primeiro semestre ainda é uma surpresa, mas para a segunda metade do ano relançaremos o meu primeiro livro, “Quedas de UFOs”, totalmente revisado e atualizado.

 

Fiquem ligados neste blog e nos meus canais sociais no Youtube (https://www.youtube.com/channel/UCO70KwG1yVrvYD1c5bsrUKg) e no Facebook (https://www.facebook.com/Thiagoticchetti?ref=hl)

 

 

Abraços!

crédito: Daniel Costa - HotMind Comics (http://hotmindcomics.com.br)
ampliar
Ilustração do momento do avistamento

Caso 2:

Local: Sobre Manaus.

Data: 01/07/1995


A tripulação de um vôo da Varig jamais se esquecerá desse evento. Apesar de sua estranheza, poucos veículos de comunicação deram notícia sobre o fato.


Um piloto experiente estava no comando da aeronave. Ao seu lado, seu co-piloto também com várias horas de vôo. Segundo seu relato, enquanto o avião estava descendo cerca de 60 km de Manaus, o comandante observou um objeto discóide muito brilhante. Como já estava anoitecendo, seu brilho era claramente visto. Primeiramente ele pensou que era um avião girando no céu de forma muito curiosa.


 

O objeto teria cerca de 20 metros de diâmetro e emitia uma luz branca muito brilhante. O comandante descartou que poderia ser algum tipo de flash, estrela ou outro avião, devido aos movimentos que ele fazia. Quando já se aproximavam do pouso, o objeto teria acelerado e cruzado a frente do avião. Tudo foi tão rápido que o comandante nem teve tempo de uma reação. 

ampliar
Foto do UFO feita de dentro da cabine do avião

A Era Moderna dos Discos Voadores teve seu marco inicial no dia 24 de junho de 1947 quando o piloto norte-americano Kenneth Arnold a bordo de seu pequeno avião avistou nove objetos brilhantes que pareciam “quicar” sobre a água. Kenneth voava próximo ao Mont Rainer, no estado de Washington. 

 

Como todos sabem ele não foi o primeiro piloto a avistar objetos voadores não identificados no céu. Durante a Segunda Guerra Mundial diversos pilotos, tanto Aliados quanto do Eixo, relataram terem visto e até seguidos por estranhas esferas de luz. Esses UFOs ficaram conhecidos como Foo-fighters. Cada um dos lados acreditava se tratar de uma inovadora arma do inimigo. Mas o fenômeno tomou uma divulgação mundial após o avistamento de Kenneth.

 

Durante anos os avistamentos de UFOs têm sido relatados por pilotos. Em alguns casos, os eventos são tão fantásticos quanto aterradores. Vários pilotos perderam suas vidas em perseguição a supostos UFOs ou quando se depararam com algum deles. Felix Moncla, Thomas Mantell e Frederich Valentich são, infelizmente, exemplos de tragédias que ocorreram.

 

Há também casos fantásticos de avistamentos. Casos estudados pelos governos, cientistas e agências de aviação. Esses registros nos mostram o quão grande é a presença desses objetos em nossos céus, e a qualidade da testemunha! Vôo JAL 1628, Noite Oficial dos UFOs, Caso Westendorf, Caso México e tantos outros.

 

Em maio de 2013, durante a Audiência para a Liberação no Clube Nacional de Imprensa em Washignton, que teve a participação do Gevaerd, o pesquisador norte-americano, Richard Haines, cientista-chefe e fundador da NARCAP (National Aviation Reporting Center on Anomalous Phenomena, revelou que mais de 3.500 pilotos teriam relatado um encontro com um UFO, mas que milhares de casos não chegaram sequer a serem reportados por outros pilotos.

 

Segundo Haines, e também o pesquisador Jim Courant, esses profissionais têm medo de que suas famílias sejam ridicularizadas ou que sofram alguma sanção.

 

Uma portaria publicada na edição desta terça-feira, 10 de agosto, de 2010 no Diário Oficial da União, regulamentou os procedimentos da Aeronáutica em notificações de objetos voadores não identificados no espaço aéreo brasileiro. De acordo com o documento, o Comando da Aeronáutica (Comaer) deve restringir sua atuação neste campo ao registro de ocorrências e ao envio desses registros para o Arquivo Nacional.

 

O texto, portaria 551/GC3, aponta ainda o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra), ligado ao Comaer, como responsável por receber e catalogar as notificações referentes a UFOs. Os registros,"relatados por usuários dos serviços de controle de tráfego aéreo", devem seguir para o Centro de Documentação e Histórico da Aeronáutica (Cendoc), conforme determina a portaria. Este último, por sua vez, é indicado como responsável em "copiar, encadernar e arquivar cópias dos registros encaminhados pelo Comdabra e enviar, periodicamente, os originais ao Arquivo Nacional". 

 

A região norte do Brasil é considerada uma das mais carentes de nosso país. Entretanto, em matéria de relatos, casos e eventos ufologicos, está sem sombra de duvidas entre os locais com maior incidência do mundo. 

 

Para ilustrar essa afirmação, cito o evento conhecido como Operação Prato. Essa operação, coordenada e organizada pela Aeronáutica, sob o comando do entao major Uyrange de Holanda, investigou em 1977 os relatos de aparecimento e ataques de estranhos objetos voadores não identificados aos moradores de Colares. Essa investigação resultou em centenas de relatórios, dezenas de fotos incríveis desses objetos e horas de vídeos dessas aparições. Por motivos ainda desconhecidos, a Operação Prato foi cancelada subitamente, sem maiores explicações; mesmo que os ataques e avistamentos continuassem.

 

De todas as testemunhas que podemos ter, os pilotos comerciais e militares são disparados os mais reticentes em relatar suas experiências, e ao mesmo tempo são os com mais credibilidade, seja pelo seu conhecimento aeronáutico ou experiência de vôo.

 

Para poder tratar desse assunto para vocês, fiz uma extensa pesquisa bibliográfica e na Internet (aqui todo cuidado é pouco), além de buscar juntos as minhas fontes, relatos inéditos de pilotos que tenham tido alguma experiência com UFOs sobre o território amazônico. Esse mesmo trabalho eu fiz em 2012, para a minha palestra em Foz do Iguaçu, que tinha o mesmo tema, mas era mais abrangente. 

 

A maioria dos casos que irei apresentar aqui são conhecidos do publico em geral, enquanto outros um pouco menos. De qualquer forma, eles ilustrarão muito bem o cenário Ufológico na região amazônica do Brasil. Não nos esqueçamos que a Floresta Amazônica cobre não somente nosso país, mas também o Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa.

 

Caso 1:

Local: Manaus – Belém

Data: 1976

Óvni com tamanho estimado em 40 metros de diâmetro é fotografado entre Manaus e Belém, sobre a floresta, pela tripulação de um Boeing da Varig, em 1976; além do registro fotográfico e do depoimento da tripulação, o artefato foi detectado pelo radar de bordo, segundo a revista UFO.


ampliar

Foi noticiado pela agência de notícias canadense CBC/Radio Canadá, que o governo daquele país não iria mais investigar os casos de UFOs. Segundo a reportagem, diversas agências federais como o Departamento de Defesa e de Aviação Civil, que eram os responsáveis oficiais para a investigação dos relatos sobre os UFOs, não estão mais fazendo esforços e destinando recursos para isso.

 

E para a surpresa geral de todos, a partir de agora esse trabalho ficou à cargo de organizações ufológicas civis e ufólogos independentes, tais como o pesquisador  Chris Rutkowski, que tem contabilizado os casos de UFOs no Canadá desde 1989.

 

Mas engana-se quem pensa que essa decisão seria em virtude da diminuição dos relatos de avistamentos e contatos ufológicos no país. Segundo Rutkowski, os casos só vem aumentando e que se isso continuar a acontecer o governo canadense terá que voltar novamente a sua atenção para o fenômeno. Só em 2011 foram relatados mais de 980 casos no Canadá.

 

E então, o governo se cansou do fenômeno? Será que a conclusão que as autoridades canadenses foi que são realmente aeronaves extraterrestres e que não vale a pena tentar desvendar algo além de nossa compreensão? Ou será que o governo está apenas despistando? E se os avistamentos realmente aumentarem e o governo voltar a estudá-los, como tirar isso dos grupos ufológicos?

 

http://www.cbc.ca/news/canada/nova-scotia/story/2013/03/07/ns-ufo-investigation.html?autoplay=true

ampliar

Avistamentos de ovnis. Entrevista concedida por Thiago Ticchetti durante o evento UFOs em Brasília sobre os casos de disco voadores mais famosos no DF e sobre as ondas ufológicas. O caso da Papuda onde militares confirmaram o avistamento de objetos estranhos no céu. O Caso da equipe da TV Bandeirantes que filmou um objeto voador não identificado próximo a Valparaíso. Thiago Ticchetti é autor do livro Quedas de Ufos e foi conferencista no Ufos Brasília e no Ufoz, o IV Fórum mundial de Ufologia.
Destaque para o primeiro caso ufológico com pesquisa acadêmica da UnB, que concluiu que o objeto era identificado e as imagens da Band gravando um ovni na câmera em Valparaíso

 

Link:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=poVA5Cb__yw


crédito: google images
ampliar
Chihuahua, México, teria sido o local da queda de um UFO?

 

No dia 25 de agosto de 1974, operadores de radar do exército dos EUA detectaram um objeto penetrando na atmosfera terrestre a uma extraordinária velocidade sobre a América do Norte. À principio pensou-se ser um meteorito, mas os militares foram forçados a reconsiderar a explicação, quando o objeto mudou abruptamente a sua direção. Pela sua nova direção, entraria no espaço aéreo dos EUA sob o estado do Texas, mas de repente desapareceu das telas dos radares. Logo os operadores de radar traçaram o local do "sumiço" do objeto. Ele teria pousado ou caído próxima a uma vila mexicana chamada Coyame, no estado de Chihuahua.

 

Não demorou muito e rádios mexicanas noticiavam a queda de uma aeronave. As buscas seriam centralizadas sobre a região de Chihuahua. Depois se noticiou que foram encontrados destroços de não somente uma, mas duas aeronaves. Uma delas seria circular. Após essas informações, dadas pelas rádios, nada mais se falou. Há rumores que o exército mexicano tenha entrado em ação para acobertar o caso. Mas os EUA já tinham conhecimento sobre o assunto. Os militares norte-americanos acreditavam que um UFO havia colidido com um avião e caído.

 

Os americanos ofereceram ajuda, que foi negada gentilmente pelos mexicanos que enviaram seu próprio grupo de resgate. Entretanto os EUA não aceitaram a negativa e continuaram os preparativos para enviar seus especialistas.

 

Os satélites com tecnologia de observação acompanhavam em tempo real os passos do grupo mexicano, que já haviam resgatado os destroços do UFO. Mas algo parecia estar errado. Os satélites indicavam áureos veículos não se moviam. Eles estavam parados no meio do deserto. Com um super zoom, tecnologia de ponta na época, verificou-se que os carros estavam parados e que todos os ocupantes estavam imóveis, mortos!

 

Quando a equipe de resgate dos EUA chegaram se depararam com dezenas de corpos de militares sem vida. Suspeitou-se que eles haviam sido contaminados com algum tipo de vírus alienígena, uma vez que não utilizavam roupa para proteção. A ordem foi então dada. Juntar corpos e destroços e destruir tudo. Foi o que fizeram. Juntaram tudo em um buraco e explodiram.

 

Certamente, essa é apenas a versão mais conhecida da história. Alguns pesquisadores especulam que mesmo sabendo que teriam que invadir o território de outro país, os EUA não titubearam e entraram no México. Quando encontraram o comboio militar mexicano com os destroços do UFO, mataram todos e levaram o material.

 

De qualquer forma, esse caso ainda carece de muito mais evidências e provas. Mas é intrigante.

 

Mais sobre o caso:

http://www.youtube.com/watch?v=D9No5FWRr9o&feature=related

 

 

 

 

crédito: google images
ampliar
foto do UFO sobre a Ilha de Trindade

Já tinha visitado Minas Gerais em 2006. Fui a Belo Horizonte, Ouro Preto e Lavras Novas. Dessa vez estava indo para Diamantina. Essa histórica cidade tinha mais do que sua beleza centenária para me apresentar. Tinha uma das maiores autoridades do Brasil, um ex-presidente. Um ex-presidente que foi testemunha, mesmo que indiretamente, de um dos casos mais famosos da ufologia brasileira, o caso da Ilha de Trindade.

 

Fui para Diamantina conversar com ninguém menos do que o ex-presidente Juscelino Kubitscheck, considerado por muitos o melhor e mais popular líder do governo que o pais já teve.

 

Cheguei num dia de muito sol. O calor era enorme. Mas a vontade de ir logo ao sei encontro era infinitamente maior. Deixei a minha mochila na Pousada do Imperador, onde ficaria por dois dias. Peguei um taxi e fui.

 

Assim que vi aquele casarão me senti no século XV. A construção era linda. Estava impecável.

 

"O senhor vai falar com o nosso presidente?", me perguntou o taxista.

 

"Vou sim. Quero fazer umas perguntinhas para ele", respondi.

 

"Então o senhor pode escrever tudo o que ele disser, pois o 'seu' JK não mente. ele sempre diz a verdade".

 

Logo que passei pelo portão de madeira da propriedade a porta da casa se abre e de lá si um senhor. Era JK. Ele vestia uma calca bege e camisa branca. Ao apertarmos a mão ele me sorriu e disse, "que bom que você veio. Queria muito falar com alguém sobre isso".

 

Sentamos numa varanda e ele me ofereceu um suco de limão. O calor era tanto que eu poderia beber um barril de suco!

 

"Presidente, fiquei muito surpreso ao receber o seu email me chamando para vir falar com o senhor", disse.

 

"Senhor está no céu, Thiago. Não fui eu quem mandou o email. Eu nem sei como mexer nesse negocio. Quem mandou foi o Carlos, meu assistente", brincou.

 

Se havia algum gelo, ele quebrou-se naquele momento. Começamos a falar sobre futebol, do seu time, o America mineiro ate que ele fechou seu semblante e falou:

 

"Thiago, vamos falar sobre o que te fez vir aqui. Vamos falar sobre o caso Trindade".

 

"Claro presidente, é o meu maior interesse".

 

"Como você sabe, o caso Trindade ate hoje levanta muitas duvidas. Algumas pessoas crêem que ele seja uma farsa, mas eu te garanto, ele é verdadeiro, do inicio ao fim."

 

"Presidente, como o senhor pode garantir isso?"

 

"Eu vi as imagens. Eu vi as fotos. Eu mandei que fosse aberta uma investigação para descobrir a origem daquela aeronave".

 

"Por quê?"

 

"Oras, se tem um objeto voador não identificado sobre o território brasileiro temos que saber de onde é! Era uma violação do nosso espaço aéreo". Neste momento ele pega um papel e escreve, "FBI e CIA".

 

"A nossa investigação não estava preparada para esse tipo de coisa, por isso tive que pedir ajuda externa. Eu fiz isso ate com um pé atrás, pois acreditava que o objeto fosse norte-americano, e sendo deles obviamente não me diriam, mas me encontrei com Edgard Hoover, diretor do FBI na época. Ele me disse assim: Sr. Kubitscheck, esse aparelho não é terrestre. Nós o estamos monitorando há três dias".

 

Essa ultima frase quase me fez cair na cadeira. O governo norte-americano estava monitorando, em 1958, UFOs em todo o mundo?

 

"Presidente, eu vou querer falar mais sobre o que disse o Hoover. Mas antes quero saber, como as fotos foram parar com o senhor, uma vez que elas não foram tomadas do Baraúna ainda a bordo. Isso é o ponto chave dos céticos para afirmar que as imagens foram forjadas."

 

"Realmente, as fotos não foram tomadas as bordo...não as três fotos, mas ele tirou seis! As outras três foram deixadas com o capitão Viegas. Foram essas que chegaram ate mim. E te afirmo, as imagens eram muito mais nítidas".

 

"Como assim? Seis fotos? Por que ele só ficou com três?" perguntei.

 

"Thiago, não sei. Ele revelou as seis fotos, mas só levou três delas. As outras três foram enviadas para o comando da Marinha na época. Quando a noticia saiu nos jornais e já tinha as imagens. Eu fiquei sabendo de tudo no mesmo dia em que o objeto foi visto. Eu ordenei que as fotografias me fossem enviadas e que fosse aberta uma investigação".

 

"Mas então, se o Baraúna ficou com três fotos e o senhor outras três, então não havia como ele fazer uma montagem dentro do navio? So assim isso poderia ter sido feito."

 

"Exatamente, meu filho. Não houve fraude. O que a tripulação viu, e afirmo, a tripulação toda viu, foi um disco voador".

 

"O que sabemos e que somente algumas pessoas viram o objeto e gritaram, mas os outros membros da tripulação ficaram olhando para o céu e nada viram".

 

"Viram sim. Eles viram e seus testemunhos foram coletados pelo serviço secreto da marinha brasileira e pelo FBI"

 

"FBI?", perguntei espantando.

 

"Sim, assim que eu pedi a ajuda para eles, parecia que eles já sabiam o que estava acontecendo. e estavam, ja que estavam monitorando aquele objeto ha três semanas. O FBI enviou quatro agentes para investigarem o caso. Para minha surpresa o Hoover também veio. Foi uma visita surpresa e sigilosa. Eles interrogaram todos os tripulantes do navio, os militares e os civis. Eles utilizaram inclusive o método de regressão hipnótica em algumas pessoas para buscar informações mais detalhadas. Todo o processo foi acompanhado pelos nossos militares".

 

Quanto mais ele falava, mais impressionado eu ficava. "Mas presidente, e as fotos? Eles, os agentes do FBI, viram?"

 

"Claro que sim. Inclusive eles levaram para os EUA para analise. A nossa Marinha pediu para o Baraúna as suas três fotos. As dele nos devolvemos, as que nos tínhamos, o FBI jamais devolveu. Eles nos enviaram toda a analise documentada. Eles concluíram que o objeto fotografado era uma aeronave extraterrestre."

 

"Mas onde estão esses documentos? Temos ai a campanha para a liberdade de informações já que requer, dentro da lei, que todos os documentos relativos aos UFOs sejam liberados para o publico".

 

"Thiago, como você vai localizar um documento que oficialmente não existe? Você acha que essa campanha, esplendida diga-se de passagem e um marco importante para que a verdade seja revelada com o tempo, tem o poder suficiente, mesmo ao lado da lei, para trazer ao publico o que realmente e secreto para o governo? O que o governo considerar ameaça a soberania nacional será mantido em sigilo por quanto tempo for necessário".

 

Ele tinha razão. Era duro ouvir isso, mas eu já imaginava que o negocio era assim mesmo.

 

"Mas presidente, por que então Barauna divulgou as fotos? Não seria lógico a FBI ter ficado com todas?"

 

"Thiago, essa pergunta eu não sei responder. Eu sei que alguns agentes do FBI visitaram Barauna, pois nossos agentes da Marinha estavam presentes. Eu sei que o Almiro Barauna ja forjou algumas fotos para reportagens no passado, mas essas fotos, as fotos do UFO na Ilha de Trindade são genuínas".

A nossa conversa já durava mais de quatro horas e o presidente estava se mostrava bem cansado.

 

"Olha, como eu te disse, o governo norte-americano estava seguindo aquele UFO por três semanas. Depois nos descobrimos que outras duas tripulações, de outros dois navios brasileiros avistaram um objeto idêntico ao fotografado e que uma semana depois do caso do Baraúna mais duas tripulações viram um UFO. Um dos navios era canadense. era um navio de pesquisa submarina. Fui informado na época que eles fizeram uma filmagem extraordinária do objeto emergindo do oceano e depois mergulhando de novo. Não vi as imagens, mas tive contato com pessoas do alto escalão do governo dos EUA que viram."

 

Quando estava querendo falar mais sobre o assunto, JK falou que estava muito cansado e que queria dormir. Me despedi dele, agradeci a acolhida e o suco.

 

"Thiago, a ufologia não existira no futuro, pois quando finalmente reconhecermos que estávamos sendo visitados por seres alienígenas, e se tivermos ou não contato com eles, surgirão novas ciências para o estudo dos extraterrestres".

 

Com um aperto de mão nos despedimos.

 

Esse texto é uma ficção, baseada em fatos reais. Qualquer coincidência com fatos verdadeiros poderá não ser mera coincidência.

 

Para mais informações:


http://www.ufo.com.br/artigos/mais-de-cinco-decadas-depois-a-verdade-sobre-o-ufo-em-trindade

 

http://infa.com.br/o_caso_trindade.html


 

 

crédito: autor
ampliar
3ª parte

Última parte dos meus documentos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

crédito: autor
ampliar
2ª página

Mais casos que copiei. Um erro que cometi quando escrevi esses casos foi não dar mais informações, por exemplo, informar os locais onde ocorrerram, nomes e etc, mas a pressa era tanta, que a quantidade superou a qualidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

crédito: autor
ampliar
Página 1

Olá pessoal.

Não é segredo para ninguém que meu pai quando trabalhava na secretaria A2 (assuntos secretos) da Aeronáutica, ele me mostrou duas pastas contendo relatos, fotografias, recortes de jornais e investigações sobre UFOs. Pedi ao meu pai que me deixasse levar para casa aquelas pastas ou que pudesse tirar cópias; mas ele me disse não. Entretanto eu poderia copiar a mão o que quisesse. Foi o que fiz. Peguei alguns casos, os menores, pois sabia que não teria muito tempo para escrever os maiores. Hoje posto a primeira página do que copiei. Naquela época eu não tinha um computador (em 1992/93), então depois de copiar datilografei tudo. São todos relatos verdadeiros, todos registrados pela a Aeronáutica.

 

*in english

It is not secret to anybody that my father, a brazilian airforce colonel, when worked at the A2 Office (the secret service of the brazilian air force at the III Air Comand in Rio de Janeiro) showed to me two folders contend stories, photographs, clippings of periodicals and inquiries about UFOs. I asked take that home or make copies, but he said not, however I could copy by hand if I wished. So I did it. I caught some cases, the smalls to copy, because I knew that I had not time enough. At that time I did not have a computer (in 1992/93), then after copying I typed everything. They are all true stories, all registering for the brazilian air force! 

 

 

 

ENQUETE
  GENIAIS.COM   
Edição 258
Sumário Edições anteriores

CENTRAL DE ATENDIMENTO

(67) 3341-8231
Horário: das 09h00 às 18h00, de segunda a sexta (exceto feriados)

FORMAS DE PAGAMENTO

Formas de pagamento

NOTÍCIAS MAIS VISUALIZADAS

+ NOTÍCIAS
2011 © Editora Evolução Ltda.
Todos os direitos reservados. Termos de Uso. Declaração de privacidade.